Pilates na terceira idade: Só benefícios

É notável o contínuo crescimento da população da terceira idade em nosso país e em todo o mundo. Nesse sentido, a relação entre atividade física, qualidade de vida e envelhecimento é cada vez mais discutida e analisada na atualidade, e é praticamente um consenso entre os profissionais da área da saúde que um estilo de vida ativo é fator determinante para um envelhecimento com qualidade. Atualmente, diferentes possibilidades de prática de exercícios físicos são oferecidas para a terceira idade, com inúmeros objetivos, orientações e métodos. Uma delas é o Método Pilates, atividade que vem consolidando-se e tornando-se popular entre a comunidade idosa.
O pilar do método consiste na aplicação de seis princípios básicos fundamentais. O primeiro deles, o princípio da centralização, nos mostra o conceito de Centro de Força ou Power House, que constitui-se pela musculatura abdominal superficial e profunda, músculos respiratórios, a musculatura lombar, glútea e pélvica. Essa estrutura é responsável pela sustentação da coluna e órgãos internos e é onde se localiza o centro de gravidade do corpo; seu fortalecimento, objetivado no método, proporciona um alinhamento biomecânico com menor gasto energético aos movimentos, além de estabilidade e melhora da postura, cooperando na prevenção de dores e outros males. Para isso, podem e devem ser utilizados diversos recursos materiais, como os próprios aparelhos do método, que permitem variedade de posições, e acessórios que podem simular situações funcionais, tais como as bolas, pesos livres, molas, cabos, elásticos e superfícies com graus de instabilidade.
O método pilates tem se mostrado uma ferramenta importantíssima nesse quesito, pois inova ao criar consciência corporal, fortalecer e alongar. Como já dizia Joseph Pilates, “um jovem sem flexibilidade é um velho. Um velho com flexibilidade é um jovem”. E tal flexibilidade e alongamento, adquiridos ao se praticar o método, cooperam para uma melhora de todo o sistema motor e biomecânico do idoso, restabelecendo antigos movimentos que, com o passar dos anos, tornaram-se praticamente impossíveis de serem realizados. Pelo fato de o método poder ser adaptado a qualquer indivíduo, seus prós são múltiplos e variados ao ser praticado por idosos. Entre eles estão pouco impacto nas articulações, movimentos lentos, pouca repetição de exercícios, priorização de alongamento e fortalecimento muscular. Ou seja, os riscos de lesões se praticados com profissionais qualificados durante a prática são praticamente nulos. Dessa forma, podemos constatar que o pilates é um forte aliado para que os idosos melhorem a saúde do corpo, a autoestima e a confiança em si mesmos, conservando a independência física e mental. Sua prática pode fazer com que o indivíduo reconheça suas limitações pessoais, conscientizando-se das próprias capacidades, o que é muito valioso para a pessoa idosa. Os idosos devem ser estimulados à apropriação e ao reconhecimento de seu corpo e sua maturidade, sendo esses os primeiros passos para aceitação de sua nova realidade de vida, uma vez que as mudanças corporais e emocionais tornam-se mais nítidas.
Fonte: Boa Postura